Muitas pessoas – principalmente aquelas que acessam serviços de saúde por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) – pensam que dispor de um plano de saúde é a melhor alternativa para cuidar de si, sem ter que esperar horas para ser atendido em uma emergência, meses para agendar uma consulta com um especialista ou anos para conseguir realizar uma cirurgia.

De fato, o plano de saúde é uma alternativa para evitar esses constrangimentos. No entanto, nem todas as pessoas têm poder aquisitivo para arcar com os custos de um convênio médico. Além disso, por mais que a pessoa pague um alto custo pelos serviços prestados pela área da saúde, isso nem sempre garante agilidade no atendimento.

Para saber mais sobre o assunto, continue acompanhando o artigo!

Leia mais: Qual a melhor alternativa para quem não tem plano de saúde?

O que é e como funciona o plano de saúde?

O plano de saúde é um contrato individual ou coletivo de prestação de serviços na área da saúde, como consultas médicas, exames, cirurgias, obtenção de medicamentos, pronto atendimento, entre outros. 

O contrato individual é firmado entre uma pessoa física e uma jurídica (a empresa que visa oferecer serviços de saúde). Já o contrato coletivo é caracterizado por um plano de saúde que pode ser familiar ou empresarial.

Por meio do plano, é possível agendar consultas tanto com os profissionais vinculados à empresa contratada quanto com outras clínicas médicas que aceitem o convênio. Para agendá-las, basta entrar em contato com a empresa contratada ou outro profissional que aceite o convênio e apresentar o cartão do plano no dia da consulta. 

Em casos de emergência, é necessário entrar em contato com a empresa, que dispõe de infraestrutura para esses casos. Por fim, para retirar medicamentos, o paciente pode procurar por farmácias vinculadas ao seu plano.

Quais são as desvantagens do plano de saúde?

1. Alto custo

Uma das principais desvantagens do plano de saúde é o seu alto custo, que nem todas as pessoas têm capacidade de pagar. Além disso, o valor do plano aumenta conforme a pessoa vai ficando mais velha, de modo que, a longo prazo, pode ser difícil continuar pagando.

2. Demora para agendar consultas

Apesar de ser mais rápido que o SUS, o plano de saúde não garante agilidade no agendamento de consultas com especialistas. Mesmo pagando caro, é possível que você tenha que esperar um mês para conseguir uma consulta com o especialista da empresa contratada, de modo que se torna mais viável procurar outra clínica ou profissional que aceite o convênio em seu consultório. 

Além disso, não são todas as empresas que dispõem de uma estrutura de emergência que atenda de forma ágil os casos que não são considerados de alto risco, sendo necessário aguardar por bastante tempo às vezes. 

3. Cobertura de medicamentos

Por fim, o plano de saúde garante o fornecimento de medicamentos para o contratante. No entanto, pode acontecer de determinados remédios serem pagos à parte. Além disso, os produtos das farmácias das empresas contratadas tendem a apresentar preços mais elevados do que os encontrados nas demais drogarias. 

Desse modo, vale mais a pena adquirir alguns medicamentos em outros estabelecimentos, mesmo que isso acarrete um maior transtorno para o indivíduo, tendo em vista que ele deverá sair da consulta e se dirigir a outro estabelecimento. 

Qual é a alternativa para quem não tem plano de saúde?

O Clude é uma alternativa para quem não tem plano de saúde, pois o programa individual custa apenas R$ 39,90 por mês, e o familiar, R$ 49,90. Com o Clude, você tem acesso a orientações médicas gratuitas via teleatendimento 24 horas todos os dias. Além disso, é possível realizar consultas com diversos especialistas por a partir de R$ 35, e cirurgias, por a partir de R$ 1.500. 

Além desses benefícios, há diversos outros. Portanto, entre em contato e saiba mais sobre o nosso programa!

Leia também: Alternativa ao plano de saúde: o que é o Clude?