Você sabia que a autoestima está diretamente ligada à saúde? A maneira como você se auto avalia pode influenciar no funcionamento do seu corpo e das suas atitudes. De acordo com pesquisas publicadas em 2003 pelo Centro Internacional para Saúde e Sociedade de Londres, a baixa autoestima é capaz de modificar as funções imunológicas do organismo e estimular o estresse no paciente. 

Além disso, quadros de baixa autoestima podem ser um sinal de que a pessoa sofre com doenças mentais graves, como a depressão e a ansiedade, distúrbios que já atingem 5,8% e 9,3% da população brasileira, respectivamente, de acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS).

Agora que sabemos a importância da autoestima para a saúde, por que não entender quando e como a visão que temos de nós é formada?

O que é a autoestima e como é construída?

Segundo o Ministério da Saúde, a autoestima é definida como a percepção que uma pessoa tem de si, podendo ser negativa ou positiva, baseada no que ela conhece e interpreta das suas atitudes, sentimentos ou crenças. 

Entretanto, a avaliação que um ser humano desenvolve de si mesmo não depende exclusivamente dele. De acordo com a Secretaria da Educação, a autoestima passa a ser elaborada na infância e, inicialmente, é fundamentada no tratamento que a criança recebe de quem está à sua volta. 

Sendo assim, um jovem que passa constantemente por críticas, situações estressantes ou julgamentos pode vir a sofrer com baixa autoestima, à medida que crianças regadas de elogios e apoio são propensas a dispor de uma autoestima mais elevada. 

Entende-se, portanto, que a ação de quem está em volta contribui de maneira fundamental para a melhora ou piora da autoestima de um indivíduo, mas há também caminhos a serem trilhados sozinhos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma boa saúde mental é definida por ações positivas em relação a si, além de sentimentos de autorrealização, autonomia, competência, entre outros.

Em vista disso, que tal vermos algumas atitudes que poderiam levar ao aperfeiçoamento da auto percepção e, consequentemente, da saúde?

Como melhorar a sua autoestima?

Importantes condutas devem ser tomadas para que a visão de si e o carinho com o corpo sejam aprimorados. 

  • Em primeiro lugar, elimine a culpa. Somos indivíduos em constante mudança e as atitudes tomadas no passado não definem o presente: a vida sempre irá trazer novos conhecimentos sobre si mesmo e sobre mundo à volta. Tirar o foco de atitudes equivocadas cometidas anteriormente e passar a pensar no que pode ser feito agora é um bom caminho. A autocompaixão e o perdão são grandes aliados de uma boa autoestima. Sendo assim, se perdoar é um grande passo para chegar ao amor próprio e ao autocuidado.
  • Não se compare! A vida que é compartilhada transparece apenas uma pequena fração da realidade do indivíduo. Canais como as redes sociais devem ser utilizados com cuidado, já que dão enfoque no que cada usuário deseja que seja visto pelo público, além disso, as narrativas ali construídas fugirem de como a vida é de fato. Respeitar o próprio processo de amadurecimento é essencial, pois cada ser humano possui o seu tempo e aplicar a régua de outras pessoas para medir a evolução pessoal prejudica a saúde e a autoestima.
  • Entenda o que funciona para você. Se conhecer é essencial para melhorar a autopercepção. Quando o indivíduo compreende o que é eficaz ou não para ele, lidar com os sentimentos se torna uma tarefa menos dificultosa e possibilita uma relação mais íntima consigo mesmo.
  • Confie em você! Não dependa de motivações externas para dar início à sua caminhada, somente você sabe aonde deseja chegar, o que almeja conquistar e, principalmente, o caminho que deve trilhar para isto: confie nas suas escolhas e atitudes.
  • Comece hoje com o que tem disponível! Analise as suas limitações e possibilidades e dê início às mudanças. Não aguarde por uma possível situação ideal, porque o momento certo para a transformação é você quem escolhe.
  • Busque ajuda profissional! Há situações em que o indivíduo deve contar com apoio e ajuda de terceiros. Buscar a assistência de profissionais da saúde, como terapeutas e psicólogos, é fundamental para melhorar a autopercepção e, principalmente, a relação consigo mesmo.

 

*Atenção: As informações existentes no Blog do Clude pretendem apoiar e informar, não substituindo a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal.