Lojas fechadas, ruas vazias e pessoas em casa: esse é (ou deveria ser) o cenário na maioria das cidades ao redor do mundo. A quarentena obrigatória motivada pela pandemia da COVID-19 mudou as dinâmicas e pegou todo mundo de surpresa. Com as pessoas em casa, como continuar tocando os negócios e reduzir os danos para quem empreende?

Marcio Mantovani, sócio fundador do Clude, separou dicas fundamentais para enfrentar esse momento.

1. Conheça o seu negócio

“É importante identificar em que estágio está o seu negócio para você poder se preparar pra esse momento de crise”, pontua. É importante que você tenha uma planilha com todos os dados e custos fixos da empresa para saber tudo o que acontece. Assim, você não será pego de surpresa e poderá se planejar.

Além de se organizar, é hora de colocar as coisas na balança caso a situação não esteja favorável. “Vale a pena continuar? Se você não tem mais o que fazer, se está endividado, pare agora. É preciso avaliar com frieza, sem paixão”, explica. Para Marcio, sucesso e fracasso são duas opções possíveis para quem empreende, e não é vergonha nenhuma abrir mão de um negocio que não vai bem. O importante é não colocar seu patrimônio pessoal em risco e olhar sempre para frente. “Esse negócio vai me trazer segurança e vai ser bom a longo prazo?”, questiona.

2. Planeje seus custos

Seja em casa ou na sua empresa, calcule os gastos que você tem ao longo do mês e confira se você possui reservas financeiras o suficiente para se manter. “Avalie o quanto você precisa de capital para os próximos três meses, imaginando que você vai passar pelo menos 30 dias sem receita. Acho que isso é importante para dimensionar o tamanho do problema que você tem pela frente”, explica Marcio.  “Antes de ser um(a) empreendedor(a), você é um pai ou mãe de família e precisa manter o lar e a empresa”, por isso ele recomenda sempre uma reserva mínima, em qualquer situação, de pelo menos 6 meses.

3. Fortaleça os negócios locais

Comprar produtos da indústria nacional é muito importante para fortalecer a nossa economia, ainda mais em um momento como esse. “Precisamos fortalecer os produtores brasileiros para, juntos, sairmos dessa crise”, opina. Pequenos empreendedores dependem mais do consumidor e não possuem tanta estrutura para sobreviver a uma crise como essa, por isso compre local, antecipe pagamentos e ajude as pessoas.

4. Não deixe ninguém na mão

Se você está bem e se tem reservas financeiras, não deixe de pagar pelos serviços prestados à sua empresa. A cadeia produtiva depende de muitas pessoas e muitos fatores, e por isso Marcio recomenda que o empreendedor “olhe ao seu redor, olhe seus fornecedores, prestadores, funcionários e entenda a situação de cada um para que nenhum deles tenha problemas nesse momento”. “Essa crise vai passar e você vai precisar de todos os seus funcionários depois dela. Se você pode manter os empregos, não demita ninguém, todos possuem responsabilidades e contas para pagar, por isso pense em alternativas como antecipar férias a vencer ou banco de horas. Na volta, esses funcionários serão gratos e sua empresa vai voltar a crescer”, explica.

5. Corte pequenos gastos

Telefone fixo, pacotes grandes de TV por assinatura, tarifas bancárias e serviços de streaming desnecessários acabam acumulando no final do mês e esse é o momento de cortar essas contas não essenciais. “Compre só o que for necessário: não é preciso fazer compras grandes em supermercados, por exemplo, já que o estoque de alimentos pode gerar mais endividamento”, explica Marcio.

Outra dica é manter conta em mais de um banco para ter credito sempre. “Não dependa apenas de um banco e tenha sempre alternativas para recorrer em períodos de dificuldade, como bancos online sem taxa e sem custos”, diz.

6. Negocie

Peça prazos e negocie com seus fornecedores. Comece com os maiores, aqueles que conseguem se manter com estabilidade por mais tempo. Tente prolongar outros prazos e, por mais que a dívida seja paga em outro momento, até lá a economia terá voltado a funcionar. Se não for possível negociar algum produto ou serviço, considere cortar o fornecimento por agora, desde que isso não afete diretamente o dia a dia da sua empresa. “Negocie uma linha de crédito de capital de giro com juros baixos, antecipe a negociação e deixe a linha aberta. Se a taxa for baixa, vale a pena antecipar o empréstimo”, explica Marcio Mantovani.

7. Reúna a sua família

Aproxime-se da sua família e convide-os para fazer parte desse esforço. Reúna todo mundo, divida os acontecimentos, discuta os planos e pense em soluções. É importante que todos saibam quais são as dificuldades a serem enfrentadas, assim a responsabilidade é dividida e todos ajudam. Vocês estão juntos em todos os momentos, seja na hora de aproveitar ou de cortar gastos.

8. Prepare-se para novas crises

Essa não foi a primeira e nem será a última crise. Se prepare e tenha pelo menos 6 meses de capital de reserva. “Não desanime, tome as medidas necessárias o mais rápido possível. Fracassar faz parte da vida de quem empreende”, completa Marcio.

O vídeo na íntegra está disponível no noss canal do YouTube aqui.