A introdução alimentar é o começo da alimentação dos bebês por meio de outros alimentos além do leite materno. Segundo a recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria, ela deve ser iniciada a partir do sexto mês de vida, desde que o bebê apresente os chamados “sinais de prontidão”, que são o ato de sentar-se sozinho, além de ter interesse e curiosidade pela comida.

De acordo com a pediatra do Clude, Drª Ana Cristina Martins, ao apresentar os sinais de prontidão, já é possível realizar a introdução alimentar. Um dos métodos mais conhecidos e utilizados atualmente é o “BLW”, sigla de “baby-led weaning”, que significa “desmame guiado pelo bebê”. Durante esse método são incluídos alguns alimentos mais sólidos, porém o bebê deverá continuar com a amamentação ou uso de fórmulas, sendo que ele irá escolher como e quando se alimentar, levando os alimentos à boca, experimentando assim, novas texturas e sabores. 

O ideal é oferecer ao bebê uma alimentação rica e variada em nutrientes, proteínas, carboidratos e vitaminas, que são adquiridos através das frutas, hortaliças, grãos, cereais e tubérculos, por exemplo. 

A famosa “papinha” que é utilizada no método tradicional de introdução alimentar não deve ser preparada no liquidificador. Ela precisa ter uma consistência mais endurecida, semelhante a um purê e conforme o crescimento do bebê, a textura passa a ter mais pedaços para fortalecer a gengiva, a fim de incentivar a erupção dentária, estimular a fala do bebê e também para que ele aprenda a mastigar. 

Além disso, é necessário que as papinhas não sejam oferecidas com os ingredientes misturados, pois é importante que o bebê consiga diferenciar cada legume, tubérculo ou proteína que estarão presentes naquela refeição. Isso ajuda também para que ele não confunda os sabores e consiga adquirir suas próprias preferências. 

A recomendação é começar a introduzir outros alimentos, como abóboras, feijão, batatas e frutas a partir do sexto mês de vida e ao mesmo tempo, continuar com o aleitamento até os 2 anos de idade. Segundo Drª Ana Cristina, “a introdução alimentar deve começar pelas frutas, pois hoje em dia não oferecemos mais sucos, conforme recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria. Então, primeiro as frutas, que são as papas mais doces, e em seguida, cerca de um mês depois, oferecemos as papas salgadas”. 

Portanto, antes de começar qualquer introdução alimentar, seja o método participativo, tradicional ou BLW, é necessário buscar orientações e se consultar com um pediatra que irá informar qual é o melhor momento e opção para o bebê, indicando um plano alimentar correto e complementar à amamentação ou fórmulas, além de explicar e conduzir a introdução juntamente com os pais. 

 

*Atenção: As informações existentes no Blog do Clude pretende apoiar e informar, não substituindo a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal.